"Solos", de Angelina Zambelli


Quando decidiu canalizar sua força criativa para a cerâmica, Angelina Zambelli foi estudar com alguns dos maiores mestres em artes cerâmicas no Brasil. Logo após seu primeiro prato já era muito claro para ela que os utilitários não eram sua vocação.
Angelina vê a cerâmica como um pintor vê uma tela em branco e sobre ela trabalha os esmaltes e óxidos que reagem de diferentes maneiras a queima em altas temperaturas, resultando em formas abstratas e cores impactantes, em parte por obra do acaso e em parte pelo controle que ela exerce sobre o processo.
Na série "Lógica" (de 2014), a artista apresentava já um grande amadurecimento e domínio de técnica embora ainda estivesse presa à modelagem do barro. A liberdade viria na série "Nuvens" (de 2015) onde suas esculturas assumiriam o papel de quadros, com a argila esticada como um canvas e suas "pinturas", feitas a fogo, ganhariam destaque.


Na exposição "Solos", inaugurada no último dia 10 de agosto na Pinacoteca Municipal Diógenes Duarte Paes - Jundiaí, vemos uma artista transformada, totalmente segura de si, mergulhando fundo em suas convicções, em suas crenças e no seu fazer artístico.
Minimalista, essencial e primitiva, a obra de Angelina Zambelli volta às origens ancestrais da cerâmica onde cuias e pequenos potes (os utilitários que ela até então renegou), ora côncavas e ora convexas, criam composições surrealistas que remetem ao feminino e a fertilidade, ao sagrado e ao ritualístico.


Ao entrar na sala da exposição o visitante se sente entrando em um templo perdido em uma floresta. Na ambientação criada pela arquiteta Larissa Carbone e pelo curador Marco Antonio Andre, o verde e os tons terrosos presentes em todas as peças envolvem toda a exposição, e um imenso painel feito a partir de fotos do Estúdio Duplo, cumpre a função de altar, onde um trecho de um poema de Cora Coralina sobre a terra, surge como uma oração.


Parte das esculturas, criadas para ficarem penduradas em paredes, estão sobre mesas convidando o visitante a examiná-las de perto ao invés de contemplá-las à distância. O ato de curvar-se produz em nós o efeito da busca (do alimento, da água, do conhecimento e da espiritualidade).
"Solos" é a terceira exposição individual de Angelina Zambelli, uma artista em ascensão no cenário da arte contemporânea, premiada com a medalha de prata na Exposição de Cerâmica Artística Ykoma (2012) e duas vezes menção honrosa na Grande Exposição de Arte Bunkyo (2013 e 2016).



Serviço:
Exposição "Solos", de Angelina Zambelli
Até 04 de Setembro
Pinacoteca Municipal Diógenes Duarte Paes
Rua Barão de Jundiaí, 109 - Jundiaí - SP
De terça a sexta-feira das 9 às 17 horas.
Aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 16 horas
Entrada Franca
A exposição "Solos" tem curadoria de Marco Antonio Andre, projeto da arquiteta Larissa Carbone e o patrocínio cultural da Stock Brazil, Hansa Iluminação, Mig Climatização, Estúdio Duplo Fotografia, Focus Mídia Exterior e Touch Conteúdo Interativo.






0 comentários: